Vídeo: médico diz que enfermeiras precisam de 'xerecard' para ter dinheiro

Vídeo: médico diz que enfermeiras precisam de 'xerecard' para ter dinheiro

Um vídeo publicado nas redes sociais pelo médico maranhense Kayke Paiva, na segunda-feira (26/10), está gerando bastante polêmica e indignação em vários profissionais de saúde, devido ao alto grau de desrespeito com enfermeiras. Por meio dos seus Stories, no Instagram, ele disse “ou tu faz enfermagem, ou usa o ‘xerecard’. Ou, então, tu faz medicina”.

Em outro momento, o médico continua: "Medicina [é] que dá dinheiro. O resto é resto (...). A enfermagem só existe porque a medicina existe", afirma ele, seguindo com uma série de ironias.  

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

A publicação foi considerada sem escrúpulos por muitos internautas, que consideraram o conteúdo uma afronta à classe de enfermagem, pois, induz ao pensamento de que prostituição seja mais rentável que ser enfermeira.

Médico será processado

Muitas entidades de classe já se posicionaram contra o vídeo. O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), ao tomar conhecimento do conteúdo, informou ao Conselho Regional de Medicina do Maranhão (CRM-MA) sobre um processo ético disciplinar contra Paiva, que poderá responder nas varas cível e penal.

“Os insultos proferidos por Kayke Paiva em seus stories são um desrespeito a 2,2 milhões de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, que estão 24h ao lado dos pacientes e dedicam suas vidas à saúde da população, em um momento de pandemia global. Revelam, ainda, desconhecimento sobre a complexidade do trabalho multiprofissional em saúde e desprezo pela integridade do ser humano”, destacou a entidade, em nota oficial publicada no UOL.

Posicionamento do médico

Após a grande repercussão negativa, Paiva se manifestou por meio de nota à imprensa dizendo que apenas falou de uma realidade de mercado em que os enfermeiros são desvalorizados.

"Sou uma pessoa que brinca muito sobre a coisa de ser pobre. Eu já andei de ônibus, era pobre. Em nenhum momento desrespeitei a profissão da enfermagem. Acredito que, sem ela, não há saúde, pois, um hospital não funciona sem os enfermeiros. Quando mencionei o termo ‘xerecard’, quis dizer que talvez vender o corpo seja uma boa ideia para ganhar dinheiro, já que a enfermagem está tão desvalorizada”, ressaltou ele, ao UOL.

Ele continuou: “Vejo o sofrimento de minha mãe, irmã e namorada ganhando pouco, trabalhando em condições precárias, sendo maltratadas pelos médicos em geral que são ignorantes na sua maioria. Peço perdão aos enfermeiros por qualquer fala equivocada da minha parte. Lembrando que muito do que falo nos meus stories do Instagram é apenas humor. Não busco humilhar ninguém, muito menos difamar profissão alguma, toda profissão tem seu espaço e merece o respeito devido”, complementou.

E pontuou: “Para finalizar, gostaria de enfatizar que sempre tratei bem todos os enfermeiros e os técnicos, bem como toda a equipe, e que nunca fui alvo de processos nesse sentido. Espero que todos aceitem minha retratação”.

Comportamento agressivo

Apesar de pedir desculpas, Paiva parece não ter sido tão receptivo às críticas dos internautas, pois, respondeu com insultos diversas pessoas por meio da sua rede social após ser questionado sobre o vídeo.

No Instagram, o médico ainda compartilhou as mensagens que recebeu e as respostas que deu a alguns internautas: Em uma, por exemplo, ele ameaça uma pessoa dizendo que vai “encher a cara [do internauta] de murro”. Em outra, Paiva afirma que se um dia precisar de atendimento em um hospital, irá morrer no Sírio Libanês, enquanto a internauta em questão "irá morrer pobre e diabética".

Assista ao vídeo publicado pelo médico:

Participe também: Grupo de WhatsApp e Telegram para receber notícias da enfermagem diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do PGE é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo da enfermagem. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O PGE é o principal responsável pela especialização de enfermagem no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Redes Sociais

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 003 7744
  •  

     

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

Botão Pós Graduação Responsivo

Agenda de Cursos - Inscrições Abertas