Covid-19: máscaras tradicionais são mais eficientes que face shields

Covid-19: máscaras tradicionais são mais eficientes que face shields

Para se proteger do novo coronavírus (Covid-19), muitos profissionais de saúde, como enfermeiros, por exemplo, têm utilizado as face shields e as máscaras com válvulas que filtram a entrada de ar, pois, acreditam que esses equipamentos de proteção individual (EPIs) são mais seguros ou barram a proliferação da doença. No entanto, um estudo publicado na revista Física de Fluidos, na terça-feira (01/09), lançou uma dúvida sobre a eficácia desses produtos na proteção ou disseminação do vírus.

De acordo com os cientistas, a máscara tradicional cirúrgica é mais eficiente na proteção e contenção da proliferação do novo vírus. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores da Universidade Flórida Atlântico (FAU, na sigla em inglês) realizaram simulações de espirro e tosse feitas em laboratório e descobriram que a face shield bloqueia as secreções, entretanto, as gotículas conseguem passar por baixo do visor e se espalhar sem grandes dificuldades, fator que pode facilitar a contaminação.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Já em relação aos testes feitos com uma máscara equipada com válvula, os cientistas constataram que, embora o EPI filtre o ar inalado, ele não consegue realizar a mesma função para o exalado, ou seja, as gotículas são soltas no ambiente, tornando o produto pouco eficaz no bloqueio da proliferação do coronavírus.

"Com a iminência da volta dos estudantes às escolas e universidades, muitos imaginaram que seria melhor usar as face shields, por serem mais confortáveis e mais fáceis de usar por longos períodos", destacou o principal autor do estudo, Siddhartha Verma, em matéria publicada no Estadão.

Ele completa: "Mas e se esses visores não forem tão eficientes? Ao longo do tempo, poderíamos estar acumulando gotículas de secreção no ambiente, que, potencialmente, podem levar à contaminação". 

Mais detalhes

Para realizar a pesquisa, os cientistas utilizaram a cabeça de um manequim, que simulava tosse e espirro ao expelir uma solução à base de água e glicerina pela boca. Com o auxílio de um laser especial, os pesquisadores puderam ter uma dimensão sobre a dispersão das gotículas. "Nosso foco foram as gotículas menores, porque elas podem ficar em suspensão por muito tempo e podem conter uma quantidade suficiente de partículas do vírus para transmitir a doença", ressaltou Verma.

Nesse sentido, o estudo sugere que as máscaras tradicionais de tecido ou cirúrgicas são mais eficazes para minimizar os impactos da proliferação do vírus. "Mas mesmo a melhor máscara permite algum vazamento", alertou Verma. "Por isso é importante também manter o distanciamento físico", explicou o cientista.

Por fim, a reitora da Faculdade de Engenharia e Ciências da Computação da FAU, Stella Batalama, explicou por que essa pesquisa é tão necessária: "Embora haja cada vez mais aceitação no uso de máscaras, há uma tendência crescente de substituir as máscaras tradicionais pelas face shields e pelas máscaras com válvulas. O trabalho apresenta evidências importantes para ajudar as pessoas a fazerem escolhas melhores para sua própria segurança e para a saúde pública", finalizou.

Participe também: Grupo de WhatsApp e Telegram para receber notícias da enfermagem diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do PGE é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo da enfermagem. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O PGE é o principal responsável pela especialização de enfermagem no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Redes Sociais

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 003 7744
  •  

     

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

Botão Pós Graduação Responsivo

Agenda de Cursos - Inscrições Abertas